Deputado Anderson do Singeperon - Sua voz no Parlamento

Anderson do Singeperon requer atualização de cadastramento de famílias da Gleba Seringal Aliança

O pedido foi feito para atender solicitações da Audiência Pública realizada no dia 25 de setembro

Por Assessoria de Comunicação Social dia em Notícias

Anderson do Singeperon requer atualização de cadastramento de famílias da Gleba Seringal Aliança
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

O deputado Anderson do Singeperon (PV) indicou ao Poder Executivo Estadual para que, através da Superintendência de Desenvolvimento do Estado de Rondônia (Suder) seja realizada a atualização do cadastramento das famílias que ocupam a Gleba Seringal Aliança, em Porto Velho.

“É necessário chegar a soluções práticas e legislativas quanto situação das famílias na região, verificando um lugar adequado ou a regularização das terras dessas famílias. Assim, que sejam mantidas as famílias, que têm o direito de permanecer nas terras”, afirmou o parlamentar.

Segundo o documento, o pedido foi feito para atender as solicitações feitas na Audiência Pública do dia 25 de setembro, que tratou sobre a situação dos moradores do local. Estiveram presentes o deputado Ribamar Araújo (PR) e representantes da Secretaria de Regularização Fundiária de Porto Velho (Semur), da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) e também das associações de produtores e moradores.

Audiência Pública

Durante a audiência, a presidente da associação dos agricultores, chacareiros, hortifrutigranjeiros da Comunidade Terra Santa, Lenir Barbosa, ressaltou que os produtores não podem ser beneficiados com maquinários e calcário do Estado, por se tratar de uma área que está em litígio.

A coordenadora de regularização fundiária da diretoria de patrimônio da Suder, Rhaiany Farias Queiroz explicou que recentemente a União transferiu 309 mil hectares da área para o Estado, onde boa parte está dentro do complexo penitenciário. “Mesmo após a transferência, ainda é necessária a conclusão de alguns tramites cartoriais para o desmembramento e posterior a isso, o Estado poderá atuar na questão do reassentamento.

ALE/RO - DECOM - Isabela Gomes | Foto: Ana Célia
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: